Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Aqui está um excelente artigo sobre o conjunto da obra do escritor peruano Mario Vargas Llosa, vencedor do Nobel em 2010, a propósito da publicação nos EUA do seu mais recente romance O Herói Discreto, que a Quetzal publicou em 2013. Restless Realism: Mario Vargas Llosa's imagined lives.

frenteK_Heroi_Discreto.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Escrever um romance de ideias, profundamente marcado por uma certa visão do mundo, parecendo que se está unicamente a contar uma história que merece ser contada, é feito apenas ao alcance de grandes escritores. Com a mão certeira para embrenhar a narrativa num percurso ideológico, Vargas Llosa assina em O Herói Discreto uma história folhetinesca com contornos policiais (na verdade, duas histórias que caminham paralelas até se fundirem numa só narrativa) onde o seu manancial de recursos literários se desenrola com todo o esplendor.»

 

Sara Figueiredo Costa, Time Out

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um Herói Humano

02.10.13

 «A par da história de Felícito corre também a de Rigoberto, que aos 62 anos decidiu aposentar-se precocemente  -três anos antes – da seguradora onde trabalha, pertença de Ismael Carrera. Ismael tem dois filhos aparentados de hiena, decidindo por isso casar com a empregada para lhes tirar a herança das mãos, pedindo a Rigoberto que sirva como uma das testemunhas, mesmo sabendo que com isso trará até si a ira dos filhos e Ismael. Os problemas de Rigoberto não acabam porém aqui. Fonchito, o seu filho adolescente, trava conversas com Edilberto Torres,um amigo que se supõe imaginário, e que Rigoberto pensa tratar-se  de uma personagem arrancada ao universo de Fausto.

 

E são estas duas histórias aparentemente inconciliáveis que, depois de muitas voltas, irão convergir para um destino partilhado. Com “O Herói Discreto”, Vargas Llosa recupera a mística para nos fazer voltar a acreditar em algo que julgávamos extinto: um herói humano com o sentido pleno de honra.»

 

Pedro Miguel Silva, Rua de Baixo

Autoria e outros dados (tags, etc)

Llosa vintage

01.10.13

«Correm dois enredos paralelos em O Herói Discreto, o mais recente romance do escritor hispano-peruano, Nobel da Literatura em 2010. A primeira tradução é a portuguesa e óptima, ou não fosse assinada por Cristina Rodriguez e Artur Guerra. Llosa inspira-se numa história real e produz um vintage. Recupera personagens, cruza-lhes as histórias lá mais para o fim do livro, mas põe tudo no presente e impregna-o com as preocupações expostas no ensaio A Civilização do Espetáculo (Quetzal, 2012). […]

Em contraponto, Llosa, um dos raros liberais sul-americanos, continua a ficcionar a rectidão de alma e a enaltecer a rebeldia do cidadão comum, pequeno David em luta contra o Golias da corrupção.»

 

Filipa Melo, Sol

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Há duas palavras que marcam todas as páginas de «O Herói Discreto»: lealdade e ética. Acreditamos que Ismael Carrera e Felícito Yanaqué não são mais do que uma justa homenagem de Llosa aos anónimos de todas as sociedades, personagens/pessoas que, devido às suas convicções, construíram e fizeram crescer sem medo uma aldeia, uma cidade, um país.

 

Ambos assumem o papel de revolucionários silenciosos (não é por acaso que Yanaqué é saudado na rua pelo cidadão comum), seres que não se intimidaram com as ameaças das quais foram alvo, mesmo quando elas surgiram da própria casa. Tanto Ismael Carrera e Felícito Yanaqué são acima de tudo fiéis aos seus ideais, que acabam por ditar os seus passos (e, consequentemente, o de outros…).

 

«O Herói Discreto» mantém portanto o «sangue» de Vargas Llosa, o seu ADN. Os temas de sempre estão todos no livro, como a eterna luta entre os poderosos e os oprimidos, mas também os dilemas da humanidade, inclusive o religioso (o único «nó» que não é totalmente desfeito na história). É no entanto de salientar que o livro não está ao nível das obras emblemáticas do peruano, muito longe disso, mas «O Herói Discreto» não defraudará os seus admiradores. Antes de tudo, é um Vargas Llosa puro.»

 

Pedro Justino Alves, Diário Digital

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Felícito Yanaqué é um homem de cinquenta anos, respeitado pela comunidade e proprietário de uma empresa de transportes que fundou e fez prosperar na cidade de Piura, no noroeste do Peru. Sem instrução, oriundo de uma família pobre e gestor cuidadoso dos seus bens, Felícito conquistou tudo a pulso, de uma forma tranquila, discreta e constante, atributos que se poderiam também aplicar à sua personalidade. Casado, com filhos já adultos, Felícito Yanaqué mantém uma amante de longa data, exuberante beleza da cidade. E também outra relação – não de natureza sexual – com Adelaida, uma vidente cujo conselho Felícito segue quase sempre, quer se trate de negócios ou de matéria puramente pessoal ou, mesmo, íntima.

 

Tudo corre bem na sua cidade; tudo normal. Só que Felícito Yanaqué começa a receber cartas anónimas de extorsão; e quando a ameaça de represálias passa à concretização, Yanaqué decide resistir a tudo isto sem apoio, estoica e discretamente. Como um herói.

 

Depois da atribuição do Prémio Nobel, do romance O Sonho do Celta ou de A Civilização do Espetáculo (conjunto de ensaios sobre o estado da cultura na atualidade), Mario Vargas Llosa regressa agora com um extraordinário e invulgar romance que relembra os cenários, os personagens e alguns dos temas dos seus livros fundadores – a coragem, o medo e a necessidade de resistir a novas formas de injustiça e de maldade.

 

A tradução é de Cristina Rodriguez e Artur Guerra, que em 2011 receberam o prémio da Casa da América Latina pela tradução de 2666.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A 12 de setembro, o novo romance de Vargas Llosa é publicado em todos os países de língua espanhola. Apenas oito dias depois, O Herói Discreto chega a Portugal, naquela que é a primeira tradução mundial da obra.

 

Mais informações sobre O Herói Discreto podem ser lidas neste artigo do El País.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A 20 de setembro nas livrarias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D