Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Um excerto do excerto de Deserto Sem Saída, de Mohamed Dib publicado no blogue Pirra.


«E agora que a todas deu nome – tanto quanto podemos pensar – ele descansa. Enquanto isso, trinca um fruto a ele oferecido pela mulher, também ela nua, tal como a extraiu de si próprio, nua e passeando por esse jardim. Em troca desta dádiva, desta cortesia, ele recita-lhe os nomes que acabou de atribuir às coisas, que, até aí, não tinham nome nenhum. Ela senta-se e, enquanto escuta, com um seio esmagado contra o flanco do homem, a longa enumeração, a bela adormece. Ele repara nisso, parece compreender que é a resposta mais justa à sua fastidiosa litania. Mudo, contempla-a no seu sono. Certamente lembra-se, nesse momento, de que ela é a única que ainda não recebeu nome. E nós ouvimo-lo dar-lhe um.
            - Hawa – diz ele.
            Olha para ela; repete:
            - Hawa.
            - Sim – diz ela, no meio do seu sono.
            Este “sim” atravessa a grade e ouvimo-lo chegar até nós a aflorar-nos com a frescura de uma brisa.
            Mas, mal ela proferiu esta aprovação – e aí reside o artifício que ele usou – o efebo sem idade volta a pegar nela e refunde-a nele, tornando-se o hermafrodita do fim, como já fora o do início. Assim o hermafrodita coroado, o real enigma, é ele, tal como se apresenta diante de nós.»

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mais do deserto

15.06.09

 

- Como é que sabe?

- Sei o quê?

- Que não vai acontecer nada.

- Que não vai acontecer nada? Ora, porque penso nisso, meu rapaz: aquilo que nos devia acontecer, já aconteceu.

- O quê? O que é que nos aconteceu?

De repente, Hagg-Bar diz:

- Chiu! Escuta.

- O que se passa, senhor?

- Não, deixa-me ouvir.

- Peço-lhe: diga-me o que se passa.

Com os sentidos alerta e a voz que se contrai num murmúrio, o homem enorme lança, instantes depois:

- Dir-se-ia que alguém mata alguém.

- Não!

- Sim.

Meditativo, Hagg-Bar repete:

- Sim. Tarde de mais.

- O senhor não acredita nisso. Não o diz a sério.

- Não há como saber. Esta imensidão é como uma porta que agora mesmo nos fecharam na cara. O próprio dia é uma outra porta. Haverá algures uma saída? Onde poderíamos encontrá-la? Aconteceu alguma coisa.

A ênfase de Hagg-Bar nestas últimas palavras em tudo se assemelhou ao rugido do leão. Falta apenas uma juba a este leão, mas as bandas do keffieh aí estão para a substituir. O alarme que a sua voz acaba de transmitir ao ar, paira ainda sem se extinguir.

 

O Deserto sem Saída, de Mohammed Dib | série mediterrâneo

Tradução de Catarina F. Almeida

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do deserto

14.06.09

 

«Ele, o homem, cantou nessa noite enquanto a noite durou. (...) Cantou para os animais, depois de estes terem rejeitado o dom da palavra. Depois, não se sabe para quem nem para quê terá cantado. À volta da sua voz, não podia haver maior silêncio. O seu canto tão-pouco perturbava a obscuridade. Só as estrelas estremeciam.» 

 

O Deserto sem Saída, de Mohammed Dib | série mediterrâneo

Tradução de Catarina F. Almeida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Dois personagens insólitos caminham, perdidos, no deserto. Não se sabe de onde vêm e dirigem-se para um destino improvável. Talvez sejam sobreviventes de uma guerra contemporânea, apenas libertados e já engolidos pela areia sem fim. Hagg-Bar (o amo) e Siklist (o criado) formam uma parelha burlesca que nos remete para as figuras do D. Quixote de Cervantes ou do tearo de Beckett. Neste deserto, bem como na prosa de Mohammed Dib, o Oriente e o Ocidente procuram, juntos, vestígios do seu passado ou futuro comum.

 

Deserto sem Saída, de Mohammed Dib | série mediterrâneo

Tradução de Catarina F. Almeida

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Mohammed Dib

25.01.09

 

Mohammmed Dib nasceu na Argélia em 1920. Estudou literatura e teve várias profissões antes de se dedicar exclusivamente à escrita: foi professor, contabilista, tecelão, designer de tapetes, intérprete e jornalista. Em 1959, depois da publicação do romance Un été africaine, Dib foi expulso do seu país e exilou-se em França, com a ajuda de Albert Camus e André Malraux. Dib, que  morreu em Paris em 2003, é unanimente considerado o maior romancista e poeta argelino do seu tempo. Entre os inúmeros prémios literários com que foi distinguido destaca-se o Grande Prémio da Francofonia da Academia Francesa, atribuído pela primeira vez a um escritor do Magrebe.

Autoria e outros dados (tags, etc)


QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D