Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Uma obra aberta

31.03.16

«A autora calibra o plot com a naturalidade e a segurança de quem relata uma história linear. Ora o romance de Helena Vasconcelos será tudo menos linear. Veja-se como do Livro I para os seguintes o tempo da narração sofre uma forte guinada. Afinal, nem tudo é como na pacata Steventon. Verdade que a clave irónica da close reading austeniana transforma o livro em obra aberta, pós-modernista em sentido amplo. Drible perfeito: com material na aparência “fútil” se fez um belo romance de ideias. Nada de confusões com a empáfia indígena que todos os dias presume ter descoberto a roda.»

frenteK_nao_ha_homens_ricos.jpgEduardo Pitta dá 5 estrelas ao romance de estreia de Helena Vasconcelos, na Sábado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

«O principal instrumento do poeta é a atenção extrema ao que o rodeia. Pode ser a múmia de um gato num museu de antiguidades egípcias em Turim, a “cúpula celeste” em Rodes, ou “o silêncio dentro do silêncio”. […] Sobre este canto de amor à cultura mediterrânica não paira o espectro da solenidade, e menos ainda quaisquer sombras de grandiloquência, porque o poeta nunca se põe em bicos de pés nem alardeia erudição. Muito ao seu jeito, desmonta essa ameaça com recurso ao humor, à ironia, e a um espírito lúdico, um gosto pela brincadeira e pela experimentação.»

José Mário Silva dá quatro estrelas a Mediterrâneo, o novo livro do poeta João Luís Barreto Guimarães

 

frente_capa_mediterraneo_final.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Não Há Tantos Homens Ricos Como Mulheres Bonitas Que os Mereçam é, no seu programa algo provocatório e na sua quase perfeita execução, um exímio romance (podem aproveitar a frase em futuras badanas).»

Diz o crítico Mário Santos no Público (e a editora não se esquecerá da recomendação).

frenteK_nao_ha_homens_ricos.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Céu Nublado com Boas Abertas não é viciante, mas é viciante. O fio do passado, antigo e datado, empolga-nos, ao passo que o fio do presente, actual e imprevisível, embala-nos. É de todo este jogo diegético, da mestria narrativa com que Nuno Costa Santos aguenta a ficção e a não-ficção, no seu regiso Sebald-urbano-depressivo, que se faz um notável romance de estreia. Nota-se que é uma estreia com muita bagagem, de alguém que se preparou para esta maratona com muitas corridas à volta do quarteirão.»

frenteK_ceu_nublado.jpg

Gonçalo Mira, no Ípsilon, dá quatro estrelas ao notável romance de estreia de Nuno Costa Santos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Na novela de Peixoto, a transcendência é como que um resíduo do lirismo, que, na obra do autor, sempre ressumbra de personagens, paisagens e acontecimentos. A inesperada ousadia do escritor, ao pegar em tão intratável assunto, seria já merecedora de elogio. Ou de espanto. Porém, o que mais surpreende é que o resultado seja (quase) airosamente conseguido, fazendo de Em Teu Ventre um dos melhores livros de Peixoto (se não for mesmo o melhor).»

 

Mário Santos, Ípsilon

 

978989722257-3frentek_no_teu_Ventre2.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Entre as muitas criaturas que estas páginas albergam, uma há que se reveste de particular interesse para os lisboetas – é o “cavalo de mar”, a que Plínio atribui a seguinte origem: «nas proximidades de Olisipo e das margens do Tejo, as éguas viram-se para o vento ocidental e ficam fecundadas por ele; os potros gerados assim são de uma admirável ligeireza, mas morrem antes dos três anos.» Já houve pais que escutaram das filhas adolescentes explicações mais esfarrapadas para gravidezes inesperadas.»

 

frnteK_LIVRO_SERES_IMAGINARIOS2.jpg

 

José Carlos Fernandes, Time Out

Autoria e outros dados (tags, etc)

Helena Vasconcelos, no Ípsilon, dá cinco estrelas a Acasalamento, de Norman Rush, e considera que o escritor criou «uma das melhores personagens literárias femininas das últimas décadas.

 

«O facto de toda a acção se desenrolar nos anos 70 do século passado acrescenta um certo exotismo e um contexto histórico excepcional. Rush que, com a mulher Elsa, passou exactamente essa época — de 1978 a 1983 — em África, integrado no Corpo da Paz, está perfeitamente familiarizado com os acontecimentos que determinaram as grandes viragens no continente: luta contra o apartheid na África do Sul, independência de países colonizados, auto-determinação e consolidação das teorias marxistas. No entanto, o autor nunca se deixa empolgar por ideologias e mantém, até ao desfecho, um distanciamento satírico, e uma postura afectuosamente crítica. Enquanto a acção se alonga com a mesma cadência que o tempo em África e os principais protagonistas vão perdendo o seu brilho heróico, Rush nunca se esquece que a sua tarefa mais importante é a de explorar o poder da linguagem. A mulher que tenta sempre aperfeiçoar o seu conhecimento é uma virtuosa do “idioverso”, uma mistura de termos em várias línguas (incluindo as nativas, como o tswana), de referências cruzadas, de piadas privadas, de neologismos, de citações, de estrangeirismos, manipulados e utilizados com avidez. Para ela, a intimidade suprema passa sempre pela linguagem — “ a decadência é quando se começam a perder os nomes das coisas (p. 211) — e a pobreza do vocabulário é uma condenação para qualquer sociedade. Quem não gostaria de lhe seguir os passos, atravessando um deserto e vivendo num lugar quase perfeito, onde todas as experiências são possíveis?»

 

London author photo 2013.JPGFoto: Elsa Rush

Autoria e outros dados (tags, etc)

«“Qual é a nossa história?” Rebecca Solnit constrói um livro a partir desta pergunta primordial a que vai dando respostas, sustentada na reflexão sobre sua relação “maligna” com a mãe. A partir do que podemos chamar um ajuste de contas de uma mulher adulta com a sua mãe doente de Alzheimer, Solnit vai atrás da sua história e, a partir dessa singularidade, convoca a imaginação e nomeia-a a sua grande aliada para conseguir chegar ao outro. Sem imaginação, diz Solnit, não há empatia, o mesmo é dizer que sem imaginação somos seres isolados no mundo.»

 

Isabel Lucas, Público

 

frenteK_esta_distante_proximidade.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Neste livro de contos, José Eduardo Agualusa compilou textos destinados a diversas antologias e revistas. Porção significativa do que nele se apresenta integrou a edição especial d’”Os Maias”, de Eça de Queirós, um exclusivo comemorativo publicado pelo Expresso. Mas não se trata de simples recolha aleatória. O autor reescreveu os originais para esta edição da Quetzal, e tal decisão facilita a sugestão de irmandade, que não exatamente de unidade. Conceitos simples transportam-se a propostas quase filosóficas, sem desejarem sê-lo, que decorrem da leitura e são testemunho de observações tiradas do dia a dia, entretanto plasmadas em palavras de bom senso, mesmo quando surreais ou hiperbólicas.»

 

António Loja Neves, Expresso

 

frenteK_LIVRO_CAMALEOES.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

José Mário Silva, na revista Atual, do Expresso, sobre Esta Distante Proximidade, de Rebecca Solnit. Cinco Estrelas para este livro fantástico.

 

«Para falar de si mesma ou da sua mãe, no processo gradual de afundamento no nevoeiro da doença de Alzheimer, Solnit cria camadas sobrepostas de histórias. As suas próprias histórias, episódios da sua vida que vão sendo desvendados com uma espécie de pudor que nunca esconde as suas pulsões essenciais, e histórias daqueles que lhe são ou foram próximos. São fragmentos oblíquos que estão ao serviço de narrativas maiores, tentativas de compreensão do mundo que se cruzam com dezenas de outras histórias. Estas multiplicam-se, propagam-se, convergem, desmultiplicam-se como bonecas russas ou bifurcam-se como rios de vasto delta.»

 

frenteK_esta_distante_proximidade.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Choque e pavor

17.07.15

«Em Olhando o Sofrimento dos Outros, o seu último livro, (que surge agora numa reedição portuguesa com algumas alterações), Susan Sontag virou-se decididamente para a análise da forma como todos nós, seres humanos, observamos e reagimos à representação da dor nos nossos semelhantes. As imagens de guerra, de massacres, de torturas que nos entram pela casa dentro, tanto em suporte fotográfico ou, cada vez mais, pela televisão, serão passíveis de desencadear um tão grande choque e repúdio que se torna impossível repetir tais horrores? A própria Sontag reconhece a ingenuidade desse desejo — “Quem acredita hoje que a guerra pode ser abolida? Ninguém, nem mesmo os pacifistas” (p. 13) —, uma vez que, nesta sociedade do espectáculo, estamos todos tão profundamente anestesiados (ou enfadados) que as cenas dramáticas, de tantas vezes reproduzidas, acabam por ser descartadas como “banais”. Sontag confirma que as imagens de guerra estão sujeitas tanto à interpretação como à manipulação e que, por isso, a noção de que esse imaginário poderá ter um efeito dissuasor é ilusório. Apesar de todo o horror que perpassa perante os nossos olhos, a violência é perene e nada se pode fazer contra essa evidência. (Sontag morreu antes de assistir às decapitações em directo, devidamente ensaiadas, levadas a cabo pelo ISIS mas refere o caso do jornalista Daniel Pearl, cuja execução no Paquistão, em Fevereiro de 2001, desencadeou (mais) um fenómeno mediático.)»

 

Helena Vasconcelos, Ípsilon

 

frenteK_Olhando_Sofrimento_Outros2.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A recensão de Pedro Mexia, no Expresso, ao romance Reprodução, do escritor brasileiro Bernardo Carvalho.

 

«O romance baseia-se numa sequência de interrogatórios policiais, dos quais só ouvimos as respostas dos suspeitos, e que por isso parecem monólogos exasperados e paranóicos. As declarações, hesitações e interjeições permitem-nos depreender o que está a ser perguntado ou sugerido, mas não eliminam os hiatos, as ambiguidades, as versões diferentes e as pistas enganadoras. Bernardo Carvalho demonstra uma consciência aguda do mal no mundo contemporâneo, mesmo quando é um mal trivializado. Tal como em romances anteriores, as questões ligadas à viagem, à globalização e ao etnocentrismo são determinantes, bem como a violência, nas suas diversas manifestações.»

frenteK_Reproducao.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«A Zona de Interesse é talvez o romance mais comprometido de Amis, e seguramente o mais conseguido, o que não deixa de ser relevante se pensarmos que O Segundo Avião (2008), não sendo uma narrativa de circunstância, reporta ao 11 de Setembro, tema familiar à maioria dos leitores. Tal como há sete anos, também agora nenhuma linha se afasta da realidade, ilustrada por factos documentados. Dir-se-ia que a quota ficcional é um pretexto para contar o indizível. A diferença é que o livro sobre o ataque às Torres Gémeas é uma obra de não-ficção (ainda que inclua um perfil ficcionado de Muhammad Atta), enquanto A Zona de Interesse é um romance clássico no mais amplo sentido do termo. Pode-se dizer que Amis dribla os que até aqui o acusavam de vénia ao ar do tempo. Desta feita, o passado regressa sob a forma de um murro no estômago. Cinco estrelas

 

Eduardo Pitta, Da Literatura

 

k_zona_interesse_7.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

José Mário Silva escreveu no Expresso sobre A Liberdade do Drible, de Dinis Machado.

 

k_liberdade_drible4.jpg

«As 23 crónicas futebolísticas reunidas neste volume foram publicadas entre 1978 e 1996 – a maior parte no então trissemanário desportivo “A Bola”, as restantes no “Tal & Qual”, em “O Jornal”               e no “Guia da Semana”. Apesar da sua qualidade desigual, ao lê-las é reconfortante verificar que Dinis Machado era daqueles escritores que nunca deixavam de o ser, mesmo quando as circunstâncias da vida o levavam a alinhavar prosas para a imprensa, sabendo que no dia seguinte já só serviriam para embrulhar peixe. O certo é que estas crónicas, décadas depois, ganharam a dignidade da edição em livro – e bem a merecem. Merecem justamente porque escapam ao mero comentário a realidades que a distância temporal tornaria incompreensíveis aos leitores de hoje, rememorando e recriando, em vez disso, histórias que podem ser lidas com proveito por leitores de qualquer época.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Recensão de Isabel Lucas, no Ípsilon, ao mais recente romance de Martin Amis, A Zona de Interesse.

 

k_zona_interesse_7.jpg

 

«É, sobretudo, uma zona de desconforto, de grande perturbação, este décimo-quarto romance de Martin Amis – e essa constatação é a primeira grande conquista do escritor que arriscou investir num tema tão explorado por tanta literatura, incluindo a sua. Depois de ter falado dos campos de extermínio nazis em Time’s Arrow (1991) e de ter escrito sobre as vítimas da União Soviética de Estaline em Koba, o Terrível (2003), o escritor britânico situa o seu mais recente romance nos bastidores de um campo de concentração nazi na Polónia, ou seja, no lado onde vivem os oficiais das SS: uma normalidade feita de encontros amorosos semi-clandestinos, festas, jantares, arranjos sexuais, espectáculos, humor pícaro e um odor que denuncia o mal.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

Em O Outro Lado do Paraíso, Paul Theroux navega entre memória e desejo, esperança e desespero, salvação e condenação. Um emocionante regresso a um terreno sobre o qual ninguém escreveu com tanto brilhantismo como Theroux. Leia no Ípsilon a recensão de Helena Vasconcelos.

«Resta dizer que, apesar de todas as tropelias e misérias a que expõe o seu “cavaleiro de triste figura” no bojo tenebroso do continente negro, o grande escritor que é Paul Theroux não consegue camuflar o seu amor por África. Mesmo que já não haja heróis, mesmo que o rico e condescendentemente generoso “homem branco” seja agora um espantalho derrotado, mesmo que já não haja escolas ou hospitais para construir, mesmo que, como Gala diz a Hock, “primeiro tiram-te o dinheiro, depois comem-te vivo”, mesmo que a arcádia imaginada se tenha convertido num inferno de violência, de doença e de cupidez, mesmo assim Theroux guia o seu próprio Virgílio e, tal como Dante (citado em epígrafe), percorre os ciclos do Inferno, do Purgatório e do Paraíso e ensaia sempre uma redenção.»

frenteK_Outro_Lado_Paraíso.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A recensão de Hugo Pinto Santos, na Time Out, ao romance de estreia de Andréa Zamorano, A Casa das Rosas, um livro que tem surpreendido (e agradado) os leitores.

 

frenteK_Casa_das_rosas3.jpg

 

«A Casa das Rosas não é apenas a narrativa da jovem que se vê encurralada num cativeiro de luxo – habilmente descrito: “A minha casa era o sarcófago imperial” – nem a exposição (formalmente quase irrepreensível, salvo algum excesso expressivo) de uma situação familiar sufocante e malsã. Um ecossistema em que o espectro do incesto, os logros da transferência e a pressão psicológica montam armadilhas difíceis de contornar para qualquer autor. E no entanto, este livro não deixa de ser também isso. Mas é, igualmente, um hábil contraponto romanesco à reconstrução histórica levada a cabo nos seus interstícios.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Pedro Vieira aposta num retrato abrangente de um país refém de medos, incapaz de se libertar do fantasma de um ditador, um “país pobre com uma boa rede de fibra óptica”, “cheio de gente em desespero mas sem vontade de partir a loiça, de partir a fibra, no lugar da primavera dos árabes o outono dos orgulhosamente sós”. É uma escrita crítica, cheia de uma ironia ácida, onde cada palavra encontra o seu lugar num intrincado jogo de sentidos que os leitores que já tinham lido Vieira no seu romance de estreia, Última Paragem, Massamá — sobre a vida num subúrbio da linha de Sintra —, não estranham. O olhar do escritor sobre o seu tempo e o seu lugar é inconformado e sustenta-se numa observação detalhada de costumes, na atenção à linguagem e à circunstância que determina cada existência mais ou menos ficcionada, mas sempre colada a um real que é o que sobretudo lhe interessa captar.»

Isabel Lucas, Ípsilon

 

frenteK_o_que_nao_pode_ser_Salvo2.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Se não tivesse outras qualidades (que tem), esta biografia teria a de ser a primeira de Agostinho da Silva. Ele que, entre outras coisas, foi um grande biógrafo, encontra aqui um amplo terreno para um percurso que parece pedir o chavão de maior do que a vida. Apesar de um estilo por vezes demasiado encorpado, com frases muito extensas, de labor intrincado, há outros aspectos a ter mais em conta: os temas versados (uma imensidão), os anos cobertos (uma vida de quase 90 anos), a multiplicidade de fontes (entre próprias e alheias, mais as primeiras, diga-se).»

 

Hugo Pinto Santos, Time Out

 

frentek_estranhissimo_colosso12.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Com efeito, não existe passado literário em Portugal para o estilo de Pedro Vieira, o qual não se resume a adornar a narração de uma história, uma simples história (pecado maior do atual romance português),mas, tal como o de Raul Brandão e o de Lobo Antunes, a evidenciar, por meio da caracterização das personagens, segundo uma leitura satírica, traços fundamentais da cultura portuguesa e do comportamento idiossincrático dos portugueses, revolucionados neste princípio de século.

A obra do autor reflete, justamente, esta revolução mental e comportamental que sucede todos os dias à nossa frente e que escritores mais velhos, obcecados com o Portugal saído do 25 de Abril, não traduzem na sua obra. Há, indubitavelmente, uma atualização temática da sátira em Pedro Vieira, que se junta, assim, na sua prática, a Rui Zink e a Manuel da Silva Ramos.

É, assim, por força do seu estilo, que a obra de Pedro Vieira, constituída apenas por dois livros de ficção, se singulariza no panorama do romance português dos princípios do século XXI, ganhando jus, por mérito próprio, a ser considerado um autor de culto entre os leitores de 20 e 30 anos (que dominam o jargão suburbano americanizado e informático dos seus livros) e, provavelmente, no futuro, da generalidade do público.»

Miguel Real, Jornal de Letras

 

frenteK_o_que_nao_pode_ser_Salvo2.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D