Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

«Nada há de mais incerto do que uma data, que se quer precisa e definitiva, que determine o "início de atividade" de um escritor. Neste domínio, Vergílio António Ferreira, beirão nascido em Melo, Gouveia, a 28 de janeiro de 1916, não tem direito a exceção. Sabe-se, isso sim, que era estudante da Faculdade de Letras de Coimbra, onde viria a licenciar-se em Filologia Clássica, quando escreveu (1939) o primeiro romance, O Caminho Fica Longe, que só veria publicação quando o autor já exercia funções docentes (1943), profissão que manteria até à reforma.

Com alguma certeza, pode dizer-se que Vergílio Ferreira ainda não arrumara suficientemente as ideias para as sintetizar assim: "O que me excita a escrever é o desejo de me esclarecer na posse disto que conto, o desejo de perseguir o alarme que me violentou e ver-me através dele e vê-lo de novo em mim, revelá-lo na própria posse, que é recuperá-lo pela evidência da arte. Escrevo para ser, escrevo para segurar nas minhas mãos inábeis o que fulgurou e morreu" [Nota: Todas as citações deste texto são repescadas do livro 1000 Frases de Vergílio Ferreira, organização de Luís Naves, edição da Quetzal]. Ou, de um jeito mais sintético: "Escrevo para tornar visível o mistério das coisas."»

 

9789897222627_CAMINHO_FICA_LONGE_vergilio_ferreira

Artigo de João Gobern no DN.

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Autor de uma das obras ficcionais mais importantes e singulares do século XX português, mas também notável ensaísta e diarista, Vergílio Ferreira completaria na próxima quinta-feira, dia 28 de Janeiro, cem anos. Pretexto para dois colóquios internacionais, o primeiro organizado pela Universidade de Évora (29 de Fevereiro a 2 de Março), e o segundo pela Faculdade de Letras do Porto e pela Câmara de Gouveia (18 a 21 de Maio), que irão retomar a discussão de uma obra que continua a ser bastante lida, a julgar pelas razoáveis vendas das reedições dos seus títulos, mas que anda um pouco desaparecida desse espaço público no qual o homenageado, que foi também um polemista temível, sempre fez questão de intervir.

A assinalar o dia do centenário, na quinta-feira, a Quetzal, do grupo Porto Editora, lança na Biblioteca Municipal Vergílio Ferreira, em Gouveia, terra natal do escritor, reedições de dois romances há muito esgotados: O Caminho Fica Longe (1943), seu livro de estreia, e Rápida, a Sombra (1964). Do primeiro será ainda apresentada uma edição crítico-genética em e-book, organizada por Ana Isabel Turíbio e prefaciada por Helder Godinho, membros da equipa que tem vindo a trabalhar o gigantesco espólio do autor conservado na Biblioteca Nacional (BN). Na mesma sessão, adianta o editor Francisco José Viegas, a Quetzal lançará uma edição digital reunindo os cinco volumes de ensaios Espaço do Invisível.»

 

vf2.jpg

Um longo e interessante artigo de Luís Miguel Queirós, no Público, sobre Vergílio Ferreira, um mestre que parece não ter deixado discípulos na literatura portuguesa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vergílio Ferreira nasceu em Melo, concelho de Gouveia, distrito da Guarda, a 28 de janeiro de 1916. Para assinalar o centenário do nascimento de um dos mais importantes escritores portugueses do século XX terão lugar diversas iniciativas nos próximos meses.

 

vf.JPG

A Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda, dedica a programação do mês de janeiro ao autor de Aparição, com destaque para a exposição de fotografia “A Guarda em Vergílio Ferreira”, que decorre entre 19 e 31, a conferência “Vergílio Ferreira no século XXI”, que será proferida pelo professor Gabriel Magalhães, da Universidade da Beira Interior, no dia 12, e também uma viagem literária a Melo e Gouveia dirigida por António Dias de Almeida, a realizar no dia 23 de janeiro. (Mais informações no site da BMEL).

 

Nos dias 28, 29 e 30 de janeiro, será inaugurada, em Gouveia, uma exposição em parceria com a Biblioteca Nacional, e serão lançados pelos CTT os selos, postais e carimbos comemorativos do centenário. Também a 28, em Gouveia, a Quetzal apresentará o plano de reedições da obra do escritor.

 

Em fevereiro, no Centro Cultural de Belém, terá início o ciclo “Vergílio Ferreira e Mário Dionísio: Literatura, pensamento e arte”, com coordenação de Maria Alzira Seixo. (Mais informações no site do CCB).

 

No dia 18 do mesmo mês, a sessão do Ler no Chiado, uma iniciativa da revista Ler e das livrarias Bertrand moderada por Anabela Mota Ribeiro, será dedicada ao escritor.

 

Na 17ª edição do encontro Correntes d’Escritas, que decorre de 23 a 27 de fevereiro na Póvoa de Varzim, a Quetzal assinalará igualmente o centenário do nascimento.

 

De 29 de fevereiro a 2 de março, realiza-se na Universidade de Évora um Congresso Internacional de cariz interdisciplinar dedicado à obra de Vergílio Ferreira. (Mais informações no site da UE).

 

Finalmente, o vencedor do Prémio Vergílio Ferreira, que no passado já distinguiu autores como Mário Cláudio, Eduardo Lourenço e Lídia Jorge, será anunciado em Gouveia a 1 de março, data em que se assinalam os 20 anos da morte do escritor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Capa do Jornal de Letras

 

JL.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

No ano em que se celebra o centenário do nascimento de Vergílio Ferreira, a Quetzal publicar uma seleção de 1000 frases do escritor.

Vergílio Ferreira é um dos mais completos, cultos e emblemáticos autores do século XX português. A sua obra (distribuída pelo romance, contos, ensaio filosófico e literário, além de nove volumes de diário) faz dele uma voz única na história da nossa literatura e do pensamento europeu de hoje. Estas mil citações de Vergílio Ferreira dão conta da diversidade, riqueza e constante atualidade da sua obra, a par da sua atenção tanto ao humano como ao transcendente e ao invisível das nossas vidas – há sempre uma frase que Vergílio Ferreira já escreveu.

 

9789897222726_1000_Frases_vergilio1.jpg

Na mesma data, 15 de janeiro, chegam às livrarias três novas edições de obras de Vergílio Ferreira:

9789897222627_CAMINHO_FICA_LONGE_vergilio_ferreira9789897222634_RAPIDA_A_SOMBRA_vergilio_ferreira_fi9789897222788__APARICAO2_REEDIT2015.jpg

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Pouco antes de morrer, Saul Bellow perguntou ao seu grande amigo Eugene Goodhead: “Fui um homem ou fui um idiota?”

Estava a dois meses de fazer 90 anos. Era o escritor norte-americano com o maior palmarés de sempre, ganhou o Nobel, venceu três vezes o National Book Award, uma vez o Pulitzer, foi distinguido com a medalha de ouro da Academia Americana de Artes e Letras, mas na hora da morte revelava a insegurança que o ia assolando ao longo da vida. Tinha uma dúvida de carácter e, para Bellow, era o carácter que definia o destino, se tomarmos por verdade fora da ficção o primeiro parágrafo de As Aventuras de Augie March (Quetzal, 2010), o seu romance libertador, aquele onde aos 34 anos descobriu que a linguagem não era uma amarra, mas nela estava antes a libertação do escritor.»

Um artigo de Isabel Lucas, no Público, sobre duas biografias recentes de Saul Bellow, no ano do centenário.

 

sb.JPGBETTMANN/ CORBIS

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

web-LernoChiado-junho-01.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

sbb.jpgAssinala-se em 2015 o centenário do nascimento de Saul Bellow, um dos mais importantes escritores do século XX.

 

Saul Bellow nasceu a 10 de junho de 1915 em Lachine, no Quebec, filho de emigrantes russos. Quando tinha nove anos, a família mudou-se para Chicago, a cidade com a qual a sua obra é mais facilmente identificada. A sua estreia literária ocorreu em 1944, com Dangling Man, mas foi com As Aventuras de Augie March, que venceu o National Book Award, em 1954, que Bellow atingiu o estrelato literário. A partir daí, o reconhecimento da sua obra foi sempre aumentando, tendo culminado com a atribuição do Prémio Nobel da Literatura em 1976. Em 2000, publicou o seu último romance, Ravelstein. Saul Bellow morreu em 2005.

 

No dia 4 de junho, às 18h30, a Ler no Chiado é dedicada ao escritor norte-americano, e contará com a presença de Helena Vasconcelos, Rui Tavares e Francisco José Viegas. Como habitualmente, a moderação estará a cargo de Anabela Mota Ribeiro. No dia 20 de junho, a Fundação D. Luís I organiza a conferência No Centenário de Saul Bellow: Um Escritor de Fôlego, com a participação dos professores Teresa Alves e Mário Avelar, e da escritora e crítica literária Filipa Melo. A sessão decorrerá no Centro Cultural de Cascais, às 21h30.

 

Até à data, a Quetzal publicou os seguintes livros de Saul Bellow: Morrem Mais de Mágoa, As Aventuras de Augie March, Ravelstein, O Legado de Humboldt e Herzog.

 

web-LernoChiado-junho-01.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Amplamente reconhecido como um dos maiores romancistas americanos do pós-guerra, o “legado” do autor de Herzog é um dos mais fascinantes da literatura do século XX. Influenciado pela narrativa existencialista europeia e por Franz Kafka, Bellow foi assim descrito pelo seu amigo e protégé Philip Roth: “As fundações da literatura americana do século XX foram providas por dois escritores – William Faulkner e Saul Bellow. Juntos eles são o Melville, o Hawthorne e o Twain do século XX.” E Christopher Hitchens descreveu-o desta forma: “A ficção e as personagens principais de Bellow refletem a sua ânsia de transcendência, um combate para superar não só as condições de gueto mas também as psicoses do gueto.”»

Nuno Carvalho, no novo Máquina de Escrever.

 

bellow.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D