Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Esta quinta-feira, às 18h30, na Fnac Chiado. 

convite_futebol.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

José Mário Silva escreveu no Expresso sobre A Liberdade do Drible, de Dinis Machado.

 

k_liberdade_drible4.jpg

«As 23 crónicas futebolísticas reunidas neste volume foram publicadas entre 1978 e 1996 – a maior parte no então trissemanário desportivo “A Bola”, as restantes no “Tal & Qual”, em “O Jornal”               e no “Guia da Semana”. Apesar da sua qualidade desigual, ao lê-las é reconfortante verificar que Dinis Machado era daqueles escritores que nunca deixavam de o ser, mesmo quando as circunstâncias da vida o levavam a alinhavar prosas para a imprensa, sabendo que no dia seguinte já só serviriam para embrulhar peixe. O certo é que estas crónicas, décadas depois, ganharam a dignidade da edição em livro – e bem a merecem. Merecem justamente porque escapam ao mero comentário a realidades que a distância temporal tornaria incompreensíveis aos leitores de hoje, rememorando e recriando, em vez disso, histórias que podem ser lidas com proveito por leitores de qualquer época.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Não é preciso gostar de bola para gostar de A Liberdade do Drible. Muitas das crónicas de futebol que nos são prometidas no subtítulo não chegam a entrar nas quatro linhas do campo. O desporto que interessa a Dinis Machado dispensa as chuteiras – às vezes, dispensa até a bola. Como em “Onde Começa o Futebol?”, quando o escritor relata ao pormenor o seu método para transformar uma laranja numa bola de futebol. E chutá-la para longe numa “verdadeira viagem sideral ao país da infância”.»

 

Luís Leal Miranda, Time Out

 

k_liberdade_drible4.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Sendo a minha juventude jogada entre balizas de interesses variados e ocupando nela o futebol, como prática física, um dos lugares de intensidade e prazer, não surpreenderá o leitor que venha dar nesta secção, de vez em quando, testemunho dessa forma de festa e de conhecimento. e dos factores humanos nela implícitos, do factor humano.

 

Estava eu a cumprir serviço militar no Regimento de Artilharia 3, quando parceiros do futebol me chamaram para participar num prélio de importância histórica (passe a megalomania). E apresentei-me, num domingo de folga militar, já não me lembro em que rectângulo nem o nome do adversário, para jogar numa equipa que reunia gente do bairro, da escola – e mais um ou outro, convocado ali ou além. uma selecção a martelo, digamos, com jogadores de várias idades, um certo curriculum – e até alguns bem seniores, na casa dos trinta. Tinha eu 20 anos, era dos mais novos.

 

Notícias esparsas, dadas por este ou por aquele, transmitiam-me o seguinte: o nosso adversário era um time de miúdos abaixo dos 20 anos e tinha um treinador a tempo inteiro, com trabalho de campo e aulas teóricas. Parece que treinavam todos os dias, ou quase, nas horas livres que a escola ou o emprego permitiam. Desfrutavam de um certo estatuto nos meios populares e não receavam qualquer adversário. Eram «tácticos», comentava-se.

 

Dado o pontapé de saída e vamos lá ver como é, percebi logo que tínhamos novidades. Agora, relembrando, ainda percebo melhor. Eram jogadores «naturais», habilidosos, trocando a bola quase de olhos fechados, cobrindo-a com uma naturalidade surpreendente – e avançando no terreno, fazendo e desfazendo triângulos, variando os flancos com muitos lances ao primeiro toque, de passe curto. Um dos vértices do triângulo desfazia, de repente, a figura geométrica, iniciando outra, logo ao lado, ou mais à frente, com aceleração súbita, obedecendo a movimentações estudadas e mudanças de ritmo. Criavam assim, permanentemente, bolsas de três jogadores tecendo uma rede de passes repetidos e rasteiros. Atiravam, muitas vezes, inesperadamente, a bola para trás, solicitando a peça livre para iniciar novo triângulo. Para nós, mais habilidosos a jogar o que o jogo desse, o processo deixava-nos, às vezes, desencaixados nessa espécie de sucessivos coletes-de-forças falsamente soltos. Tinham iniciativa e mecanização. Dois ou três deles, menos amarrados ao esquema, improvisavam bem, até com brilho, eram o sal da receita.

 

E como acabou isso?, perguntará o leitor. Sempre lhe digo que nós, os mais velhos e experientes, ganhámos por 5-4 – mas também lhe digo (de resto, como o resultado indica) que tivemos de fazer a sério pela vida para evitar o descontrolo. No que me diz respeito, estava numa excelente forma física, porque tinha saído de uma recruta intensa, de quatro meses, cheio de ginástica, com uma saúde de ferro, integrado (embora contrariado, convenhamos, por alguma indisciplina e preguiça congénitas em relação a certas obrigações, mas tropa é tropa) no grupo especial do quartel que acabara de participar no campeonato militar. Esfalfei-me durante os noventa minutos (tinha forças para o fazer, é isso), corri o campo todo – e até marquei um golo, no limite do tempo e do esforço (fazendo o 5-4), depois de ganhar a bola, próximo da grande área deles, em takles teimosos e felizes. Tirei-lhes o empate que bem mereciam.

 

Agora, concluindo: soube que a rapaziada vencida ficara muito triste (custara-lhes imenso o golo no último minuto) e que o velho treinador (estou a vê-lo com muito futebol nos olhos e na cabeça, vastas leituras e informações sobre o jogo e uma «vontade de conjunto») chorou. O clube desapareceu, nem sabendo nós se a partida que fizemos com eles teve alguma influência nisso. Espero (e creio) que não. Lembro-me disto porque, às vezes, um golpe duro numa motivação algo ingénua e susceptível pode causar efeitos bastante sofredores. Mas o clube, que recordo aqui com a maior simpatia, deve ter acabado como acabavam todos – e o velho treinador nunca mais entrou nas nossas conversas (ou entrou episodicamente), deixando, contudo, lugar para um fugaz pensamento entristecido e distante.

 

Porque (é fácil calcular) se tratava de uma personagem inteligente e poética; e porque chorar (mesmo quando parece despropositado) é bem humano; e porque orientou um grupo de jovens talentosos, combativos e leais: por razões de futebol no que tem de positivo, feliz e imaginoso, de entendimento e de entreajuda, evoco um possível Chapman, Herrera ou Otto Glória (para citar de passagem) nunca realizado, talvez antecipador (para actualizar e localizar a circunstância) de, por exemplo, um Artur Jorge ou um Carlos Queiroz, e outros – todos os que fazem a pedagogia possível para segurar o futebol no rumo da vocação e de virtudes bem saudáveis, que o jogaram ou não e o leccionam com desvelo, envolvendo o jeito e o raciocínio na alegria de praticar e de competir.

 

E pronto. Se algum desses antigos miúdos me estiver a ler, que saiba (se for preciso dizer-lhe) que jogaram como gente grande. E que espero não tenha esquecido (e porque havia de esquecer?) o velho treinador sentimental que sonhou o sonho que lhe foi possível, talvez preenchendo o vazio da reforma com esse espaço de construção, já na luz fraca do outono da vida: individual, colectivo, harmonioso – e tão admiravelmente precário.»

 

Esta é uma das magníficas crónicas incluídas no livro A Liberdade do Drible, de Dinis Machado, que chega esta semana às livrarias.

k_liberdade_drible4.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Chega esta semana às livrarias, esta recolha de crónicas (da responsabilidade de Marta Navarro) de Dinis Machado sobre futebol. Inédito e imperdível.

 

«A Liberdade do Drible é jogo sublime feito por Dinis Machado»

A Bola

«Há em certas páginas deste livro sobre a bola algo de O Que Diz Molero»

Diário de Notícias

«Um hino à escrita (e ao futebol). Dinis Machado dá espectáculo. Ao todo, 23 crónicas. Ou 46, caso lhe apeteça relê-las no mesmo dia.»

i

«O olhar de um adepto, de um fã do futebol, e especialmente da sua beleza, que pode ser exemplificada por um drible.»

Jornal de Negócios

 

k_liberdade_drible4.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D