Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

«Não Há Tantos Homens Ricos Como Mulheres Bonitas Que os Mereçam é, no seu programa algo provocatório e na sua quase perfeita execução, um exímio romance (podem aproveitar a frase em futuras badanas).»

Diz o crítico Mário Santos no Público (e a editora não se esquecerá da recomendação).

frenteK_nao_ha_homens_ricos.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Na novela de Peixoto, a transcendência é como que um resíduo do lirismo, que, na obra do autor, sempre ressumbra de personagens, paisagens e acontecimentos. A inesperada ousadia do escritor, ao pegar em tão intratável assunto, seria já merecedora de elogio. Ou de espanto. Porém, o que mais surpreende é que o resultado seja (quase) airosamente conseguido, fazendo de Em Teu Ventre um dos melhores livros de Peixoto (se não for mesmo o melhor).»

 

Mário Santos, Ípsilon

 

978989722257-3frentek_no_teu_Ventre2.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Este romance parece ter nascido de um impulso. Foi assim?


Sim, um pouco por uma urgência que veio de uma observação política. Acabei reconhecendo em pessoas que abomino, em discursos que odeio, coisas com as quais concordo. Acontece ouvir alguém, estar de acordo e acompanhar o discurso, acreditando que é bom, e de repente dar-me conta de que quem falava era um representante da extrema-direita, por exemplo. Essa mobilidade dos discursos, o terem saído do lugar de conforto no qual eu podia reconhecê-los, inquieta-me. O livro vem do desconforto de não saber como me posicionar politicamente nesse mundo actual.»

 

frenteK_Reproducao.jpg

 

Entrevista do escritor brasileiro Bernardo Carvalho ao Ípsilon, a propósito da publicação em Portugal de Reprodução.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Em O Outro Lado do Paraíso, Paul Theroux navega entre memória e desejo, esperança e desespero, salvação e condenação. Um emocionante regresso a um terreno sobre o qual ninguém escreveu com tanto brilhantismo como Theroux. Leia no Ípsilon a recensão de Helena Vasconcelos.

«Resta dizer que, apesar de todas as tropelias e misérias a que expõe o seu “cavaleiro de triste figura” no bojo tenebroso do continente negro, o grande escritor que é Paul Theroux não consegue camuflar o seu amor por África. Mesmo que já não haja heróis, mesmo que o rico e condescendentemente generoso “homem branco” seja agora um espantalho derrotado, mesmo que já não haja escolas ou hospitais para construir, mesmo que, como Gala diz a Hock, “primeiro tiram-te o dinheiro, depois comem-te vivo”, mesmo que a arcádia imaginada se tenha convertido num inferno de violência, de doença e de cupidez, mesmo assim Theroux guia o seu próprio Virgílio e, tal como Dante (citado em epígrafe), percorre os ciclos do Inferno, do Purgatório e do Paraíso e ensaia sempre uma redenção.»

frenteK_Outro_Lado_Paraíso.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

DFW no Ípsilon

13.11.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

DFW

11.06.12

Autoria e outros dados (tags, etc)

"O Prémio Pulitzer de 2011 foi para "A Visita do Brutamontes", romance de queda e redenção que acompanha uma enorme trupe de personagens ao longo de 40 anos: inclui genocidas, suicidas, groupies, rock e muitas drogas. Não é o Great American Novel à antiga: Jennifer Egan inventou o Great American Novel 2.0

Não é difícil de perceber por que razão A Visita do Brutamontes, o quarto romance de Jennifer Egan (cuja obra inclui ainda uma colecção de contos), recebeu o Prémio Pulitzer de 2011. Ao centrar-se na indústria de entretenimento, Egan encontra carta branca para colocar uma imensa galeria de personagens nas mais improváveis situações: entre rapazes a morrerem num rio e assessoras de imprensa que vêem estrelas de Hollywood a serem encarceradas por genocidas no Médio Oriente, a quantidade de peripécias trágicas, delirantes ou emocionalmente extremadas é imensa."


 

Entrevista de Jennifer Egan, autora de A Visita do Brutamontes, ao Ípsilon

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Autoria e outros dados (tags, etc)

José Rentes de Carvalho entrevistado por Isabel Coutinho: aqui.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D