Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


«Cidadão nascido nos Açores e europeísta convicto, é o que a badana do livro reza sobre o autor do livro "Da Europa de Schuman à Não Europa de Merkel". Eduardo Paz Ferreira é, com o seu humor, sagacidade e ironia, um dos maiores críticos desta Europa realmente existente e um dos maiores defensores de uma utopia continental. Se o sonho vale sempre, resta saber se ele é possível no quadro da União Europeia que temos.

 

Esta Europa é reformável?

Nós todos, os cidadãos europeus, gosto muita dessa ideia mesmo que ela na prática não corresponda a nada, debatemo--nos com esta pergunta. Recuperando a conhecida frase de Gramsci que fala do optimismo do coração e do pessimismo da razão, acho que depende muito da coragem e da capacidade de actuar. Se a questão é se a Europa é reformável, com esta nova Comissão, é óbvio que não. Pedro Adão e Silva dizia no outro dia que este livro é uma tragédia, apesar de eu próprio ter tentado, no capítulo final, arranjar algumas pálidas razões de optimismo, como o Parlamento Europeu ter assumido a tarefa de aprovar o presidente da Comissão Europeia e começarem a aparecer alguns pequenos sinais de reformismo pela voz do actual primeiro-ministro italiano. Esses sinais são semelhantes àqueles que existiram há uns tempos quando François Hollande, depois de ser eleito, fez aquele discurso em que dizia: Europa, cheguei, estou aqui e vou convencer toda a gente de que é preciso acabar com a austeridade. E depois fez aquilo que toda a gente sabe...

O que garante que Renzi vá ser diferente de Hollande? Lembro-me que a última vez que o entrevistei tinha muitas esperanças no novo presidente francês.

É verdade, hoje em dia passo o tempo a penitenciar-me desses erros e a dizer que sou uma viúva do Hollande: ele tem uma série de senhoras a quem vai visitar de motoreta e depois tem um número infinito de viúvas que acreditaram que ele ia ser um líder esclarecido da França e da Europa, e depois saiu aquele trapalhão sem ponta por onde se lhe pegue.»

 

Eduardo Paz Ferreira entrevistado por Nuno Ramos de Almeida no i.

I:\CAPAS - BERTRAND EDITORA\2014\Quetzal\09_Setemb

 

Autoria e outros dados (tags, etc)



QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D