Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Havia, em Jerusalém, um homem chamado Cleópatro (o nome é capicua do nome homérico «Pátroclo»), a quem os amigos tratavam pela alcunha «Cléopas». Este Cleópatro era discípulo de Jesus, Mestre a quem ele chamava «profeta poderoso na acção e na palavra» (Lucas 24:19). Após a crucificação e sepultura de Jesus – e decerto para limpar as ideias depois de tão traumático episódio – Cleópatro pôs-se a caminho, na companhia de um amigo (cujo nome nunca é referido), e fez a distância de 12 km que separava a cidade de Jerusalém de uma aldeia cujo nome apelaria, desde logo, a quem estava a precisar de limpar as ideias: Emaús (palavra que significa «fonte» ou «nascente»). No entanto, acabou por não ser o elemento líquido a limpar as ideias de Cleópatro, mas sim uma estranha ardência cardíaca.

A história de como Cleópatro ficou com as ideias bem limpas é contada no Capítulo 24 do Evangelho de Lucas e pode ser considerada das coisas mais arrepiantemente belas que alguma vez se escreveram.

Os dois amigos saem de Jerusalém e, como fazemos entre amigos, procuram digerir tudo o que tinha acontecido a Jesus falando sobre o assunto. Não sabemos quais foram as palavras que eles trocaram (pois não são explicitadas por Lucas), mas podemos imaginar o tom. Podemos imaginar a tristeza (ou mesmo a revolta) com que eles se debatiam. Seria possível terem pregado numa cruz Aquele homem? Seria possível que, mais uma vez, um profeta inocente tivesse sido cruelmente abatido? Seria possível que, mais uma vez, os ouvidos humanos tivessem reagido ao incómodo de palavras carregadas de Verdade com o gesto brutal de calar quem os incomodava ao proferi-las? Sim, era possível. Cleópatro e o amigo sabiam isso. Sabiam que, mais uma vez, o ser humano se tinha mostrado em toda a vileza da sua vulgaridade e pusera a nu a mesquinhez ordinária da sua alma. Não é difícil imaginarmos, de facto: a morte de Jesus deve ter deixado uma dor insuportável aos dois amigos que caminhavam na estrada de Emaús.

No meio da conversa, um homem estranho junta-se ao par que caminhava. Põe-se a ouvir a conversa deles e estranha, ao que parece, as suas palavras. Pelos vistos, este homem estranho é única pessoa das redondezas que não ouviu falar no que acontecera a Jesus. Os amigos ficam de imediato desconfiados (a palavra grega usada por Lucas também significa «amuados»; da única vez que ela surge no Novo Testamento além desta passagem, significa «macambúzio» ou «cara de caso» em Mateus 6:16).

Cleópatro mal consegue acreditar: «serás tu o único a visitar Jerusalém que ignora os acontecimentos que lá se passaram nestes dias?» (Lucas 24:18). O homem estranho pergunta: «que acontecimentos?»

E Cleópatro conta-lhe o que acontecera. Fala-lhe de Jesus de Nazaré, esse «profeta poderoso na acção e na palavra». Fala da esperança de que ele viesse «resgatar» Israel. Para quem lê o Novo Testamento em grego, é supremamente interessante esta ocorrência do verbo «lutróô» («resgatar»), já que mais nenhum evangelista o utiliza e, na verdade, em todo o Novo Testamento, ele só ocorre aqui e em duas passagens raramente lidas (Tito 2:14; 1 Pedro 1:18). O helenista é logo levado a pensar no título antigo do Canto 24 da Ilíada, «Héktoros Lútra» («O resgate de Heitor», que foi também o título de uma tragédia perdida de Ésquilo), até porque, mesmo no grego da época clássica, não encontramos muitas vezes palavras relacionadas com este campo semântico. A palavra fica bem na boca deste Cleópatro (nome, como referi, que é capicua de «Pátroclo»), homem que sabe o que está a dizer. E fica bem num episódio em que, como no Canto 24 da Ilíada, um ser divino intervém na vida humana e desaparece logo no momento em que é reconhecido. Lucas (quantas pessoas ainda não perceberam o alcance disto) é mesmo muito grego.

Cleópatro continua a contar ao homem estranho tudo aquilo que aconteceu: conta como as mulheres foram ao sepulcro de Jesus e encontraram «anjos» (o que é curioso, já que, justamente, no Evangelho de Lucas as mulheres vão ao túmulo e NÃO encontram anjos, ao contrário do que acontece noutros evangelhos). Esses anjos teriam afirmado que Jesus estava vivo. No entanto, segundo Cleópatro, ninguém o tinha ainda visto.

Neste momento, nós, leitores do Evangelho de Lucas, já estamos por dentro da fina ironia a que o evangelista está a recorrer. Nós sabemos (desde o versículo 15) que o homem estranho é Jesus. Cleópatro e o amigo, no versículo 25, ainda não perceberam.
Jesus dá-lhes uma resposta cheia de ressonâncias filosóficas («Ó homens sem inteligência e lentos no coração!»), que mais uma vez nos chama a atenção pelo vocabulário. Mais nenhum evangelista usa a palavra «anóêtos» («sem inteligência», «sem capacidade de pensamento») e mais nenhum emprega a palavra aqui usada para «lento» («bradús»). A palavra «anóêtos» (que na literatura grega ocorre praticamente só em Platão, Paulo e Plotino) tem no seu cerne a palavra «nous» («mente», «inteligência»), o que nos coloca perante a evidência de que Jesus está a falar em dois alicerces da fé: a inteligência e o coração. Este Jesus na estrada de Emaús, que sabe empregar uma palavra como «anóêtos», concilia o lado intelectual da crença com o lado emocional.

(na imagem: Jesus e os dois amigos, imaginados pelo pintor renascentista italiano Altobello Melone)

 

De seguida, Jesus «interpreta-lhes» a Escritura «começando desde Moisés». Essa interpretação, no Capítulo 24 de Lucas (ver também v. 44), centra-se na ideia questionável, porém já plenamente cristã, de que a chave de interpretação do Antigo Testamento seria a própria figura de Jesus. Mas, mesmo assim, Cleópatro e o seu amigo ainda não percebem quem têm ali ao seu lado. Chegam, por fim, à aldeia de Emaús e Jesus, talvez exasperado por eles serem tão broncos, quer deixá-los e seguir caminho. Mas eles insistem com ele para que fique: «é quase de noite e o dia já está no fim».
A narração de Lucas entra agora em modo ultra-sintético: «Ele entrou para ficar com eles». Não se diz onde entraram, mas partimos do princípio de que é a casa de alguém. «E aconteceu que, quando se pôs à mesa com eles, ele tomou o pão, pronunciou a bênção e, depois de o partir, deu <o pão> para eles <comerem>. Abriram-se os olhos deles e reconheceram-no. E ele tornou-se invisível <à vista> deles».

É agora que eles percebem porque lhes «ardia o coração quando ele nos falava pelo caminho» (24:32). E é agora que, graças a essa ardência cardíaca, tudo lhes faz sentido. Não foi, portanto, com água que, após a crucificação de Jesus, Cleópatro e o amigo limparam as ideias na aldeia que significa «fonte». Foi a caminho da aldeia, com o coração a arder. Foi com Cristo, na estrada de Emaús.

 

Ver o original, publicado na página de Frederico Lourenço no Facebook.

Autoria e outros dados (tags, etc)



QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D