Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]


Se em Eça de Queirós há um personagem querido dos Homem esse é o vetustíssimo Jacinto Galeão, que o senhor D. Miguel apanhou do chão numa tarde soalheira de Benfica. O episódio vem na Cidade e as Serras, e é conhecido de todos. Jacinto Galeão abandona o país mal o príncipe embarca em Sines na direcção do exílio definitivo – e os Homem, para manter um módico de decência e não se fingirem de esquecidos, nunca deixaram de mencionar a palavra «Concessão» antes do toponímico «Évora Monte». As coisas são como são e, para os meus antepassados que decoraram mais de duas frases de José Acúrcio das Neves, era o mínimo que podiam fazer: minimizar os estragos, aprender a virtude da derrota e manterem-se afastados da ribalta. Na verdade, creio que Eça de Queirós trataria amavelmente os Homem dessas eras – como personagens vagamente cómicos, inimputáveis acerca da política do seu tempo, respeitadores da gramática, tratando do jardim e guardando bibliografias. Digamos que a nós, os minhotos do Portugal velho, nos coube a melhor parte de Eça – sermos ignorados. Os seus retratos do Chiado, dos Ministérios, das secretarias, das corridas de cavalos, dos adultérios sem glória, dos políticos da Regeneração e do Constitucionalismo, do S. Carlos desafinado e da imprensa de costumes, deixam-nos a salvo. E, além de nos deixar a salvo, acabamos por ser uma das imagens luminosas da Pátria – quando Eça, nas suas cartas, menciona as saudades das estradas do Minho. As «estradas do Minho» é uma maneira de dizer, porque atrás das estradas do Minho vem o Portugal que Eça conhecia de ouvido e que seria o cenário dos romances de Mrs. Trollope, se Mrs. Trollope não fosse inglesa, e se o Monte dos Vendavais não se passasse em Inglaterra.


Nessa época, a nossa família já não lia A Nação nem se incomodava com a religião velha ou com o casamento civil. Estava retirada. Depois da Maria da Fonte e antes da Patuleia, estávamos preparados para os romances de Eça. Aliás, para todos os romances de Eça. O meu avô, administrador de quintas no Douro, tratou mesmo de desenvolver uma investigação minuciosa sobre os pastores anglicanos do Porto, a fim de verificar se existiria algum Craft (como o Craft de Os Maias) depois de ter conferido que era impossível encontrar o rasto do pai da Sra. Condessa de Gouvarinho.

Aliás, era impossível encontrar o nosso rasto. Nós, as velharias, ficávamos de fora, rindo muito, maledicentes e maduros, desse país distante que se corrompia e sofria nas páginas de Eça, decompondo-se como personagens de uma farsa ou de uma comédia. Tínhamos sido vencidos há muito tempo; a democracia, a sociedade liberal, não era assunto nosso. Convinham-nos mais as páginas de A Brasileira de Prazins, de Camilo, o último dos desesperados e provavelmente o último dos miguelistas.

 

(Continua...)

 

Texto de Dr. António Sousa Homem, escrito para a apresentação da biografia de Eça de Queirós, de Maria Filomena Mónica.


 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D