Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quetzal

Na companhia dos livros. O blog da Quetzal Editores.

«O Kalifa serve um «bacalhau à lagareiro» de qualidade superior, feitura idem, pelo que para lá me mando, a antecipar os sabores do almoço.

Estaciono defronte dos Correios.

Assombrado, o casal estacou no passeio. A mulher fica. O homem, um sessentão gorducho apoiado a um cajado, avança para mim:

- Olha que esta! Ai que caralho! Quem havia de dizer!

Indiferente ao trânsito, pára a meio da rua, abre os braços, agita o pau num modo de esgrima amigável.

- Não me está a conhecer, pois não? Ai que caralho. A minha mulher… Não se lembra de mim?

- Francamente, não recordo.

- Caralho! Sou o Adérito! O Adérito das cerejas, caralho!

- Deve estar enganado.

- Não estou, caralho! Nós somos primos!

- Desculpe, mas…

- Sou o Adérito da tia Conceição, caralho! O Adérito… - continua a sorrir, mas atira uma paulada raivosa ao passeio.

- O Adérito, caralho! O Adérito de Vilarinho dos Galegos! O das cerejas! O primo!

- Olhe que não. Eu sou doutros lados. Não tenho família em Vilarinho, nunca lá fui.

- Não me diga, caralho! Então enganei-me?

- Acho que sim.

- Ai que caralho! Podia jurar, caralho!...

Encara-me descrente. No outro lado da rua, encostada à parede dos Correios, a mulher acena um adeusinho.»

 

frenteKplanoK_Po_Cinza.jpg

 

«O livro Pó, Cinza e Recordações começa no dia 15 de maio de 1999 e termina nesse mesmo dia do ano seguinte. É do género literário da diarística, peça pouco habitual entre a maioria dos escritores portugueses e no qual o escritor J. Rentes de Carvalho já caminha pela terceira vez, pois publicou Portugal, a Flor e a Foice, um relato cáustico sobre o país de 1974 e 1975, e Tempo Contado, sobre o mesmo país, mas passado nos anos de 1994 e 1995.»

 

João Céu e Silva, Diário de Notícias

 

Pó, Cinza e Recordações chega às livrarias a 8 de maio.

 

frenteKplanoK_Po_Cinza.jpg

 

O poeta Vasco Graça Moura morreu há um ano. Assinalamos a data com um dos poemas incluídos no volume 2 da Poesia Reunida.

 

meu amor, meu quente marulhar

 

meu amor, meu quente marulhar das águas ancestrais,

meu alvoroço terno das manhãs, há um vaporzinho no ar,

percorro a linha fina do teu corpo, o seu desenho ainda ensonado,

e és para mim toda a realidade nesse instante.

há roupas, sim. roupas que vais vestindo, algum creme que pões,

uma cama desfeita, um leve baloiçar das árvores lá fora

e o sol de inverno a alastrar nas vinhas.

 

foto_vgm.jpg

 

«Como numa tragédia, há uma espécie de força negra que impele as personagens a uma condenação. Não se trata de uma visão determinística, mas da lucidez de um pessimismo atento. A precipitação final do livro aproxima-o da catástrofe trágica, acabando por lhe dar uma dimensão que o eleva acima de uma simples narrativa.»

 

Hugo Pinto Santos, Time Out

 

frenteK_o_que_nao_pode_ser_Salvo2.jpg

 

«Um livro é uma coisa entre as coisas, um volume perdido entre os volumes que povoam o indiferente Universo, até que encontra o seu leitor, o homem destinado aos seus símbolos. Acontece então a emoção singular chamada beleza, esse mistério belo que nem a psicologia nem a retórica decifram. 'A rosa é sem porquê', disse Angelus Silesius; séculos depois Whistler declararia 'A arte acontece'.
Oxalá sejas o leitor que este livro aguardava.»


(Do prólogo ao livro 'Biblioteca Pessoal', de Jorge Luis Borges.)

frenteK_BIBLIOTECA_PESSOAL.jpg

 

Escrito entre maio de 1999 e maio do ano 2000, este é o diário do milénio de um dos mais relevantes autores portugueses da atualidade, vencedor do Grande Prémio de Literatura Biográfica APE, em 2012.

 

«Há diários importantes e os que são apenas interessantes. Há-os íntimos, alguns dolorosamente francos, outros mascarados. Os que são escritos para ferir e os que são escritos para recordar. Este, suponho eu, cabe mal nas categorias acima, pois menos que uma anotação de factos e pensamentos, o vejo sobretudo como um desejo de conversa.»

 

«Aonde pertencerei? De verdade e por inteiro, a parte nenhuma. A terra onde nasci tornou-se-me estranha como um teatro, quando estou nela tenho a ideia de que represento um papel. A outra, onde vivo há mais de meio século, dá-me por vezes a ideia de um navio que se afasta e me deixou no cais. Procurar outro poiso? Nem a idade o permite nem as amarras o deixariam. Porque é isso: não pertenço, mas é muito e forte o que me prende.»

 

A 8 de maio nas livrarias.

 

frenteKplanoK_Po_Cinza.jpg

 

 

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D