Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


frenteK_Casa_das_rosas3.jpgA 13 de fevereiro nas livrarias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«David Foster Wallace foi um escritor diferente, um acutilante pensador que extrapolava fronteiras morais e filosóficas com um encanto próprio e uma extrema capacidade de encontrar sentido (ou sentidos) onde, por vezes, a emoção ou a lógica se revelava ausente – ou tomada pelo poderoso fantasma do aborrecimento.

Estudante de Filosofia e Inglês, Foster Wallace – paralelamente a toda a sua vida – nunca escondeu a sua paixão pelo ténis, modalidade que lhe conferia uma espécie de equilíbrio para a existência, bem como para a sua expressividade literária.»

Carlos Augusto, Deus Me Livro

 

frenteK_rei_palido.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A 13 de fevereiro nas livrarias.

 

frentek_estranhissimo_colosso12.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Originalmente publicado em 1949, O Segundo Sexo ocupa um lugar canónico nos estudos do género e, naturalmente, no feminismo. O seu principal instrumento teórico é a noção de Outro. […] Na secção final deste primeiro volume, Simone de Beauvoir descreve a mulher “como os homens a sonham”, assim penetrando a fundo nos mitos. […] É difícil não ver a novela Mal-Entendido em Moscovo como um caso prático de O Segundo Sexo

Hugo Pinto Santos, Time Out

 

frenteK_malentendido_moscovo.jpg

 

frenteK_segundo_sexo_vol1.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Ler hoje “Alegria Breve”, o romance de 1965 de Vergílio Ferreira, é relembrar a triste história de Portugal: o contínuo silenciar do interior, o despovoamento, o vazio, o silêncio. Nada é diferente em 2015 do que sucedeu em 1965 ou no século XIX ou no século XVI. Portugal foi à procura do mundo, porque nunca acreditou no seu interior, onde a pobreza e o isolamento fez com que todos procurassem o mar ou as terras para lá da raia. Nesse aspecto, “Alegria Breve” é de uma beleza devastadora.»

Fernando Sobral, Jornal de Negócios

 

frentek_Alegria_breve_vergilio_ferreira_final.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«O Rei Pálido será sempre inacabado e incapaz de responder até onde poderia ir Foster Wallace se não tivesse morrido aos 46 anos. Mas quem o lê reconhece nele todos os traços dessa tarefa que foi a sua: viver à margem sem ser por escolha e fazer dessa incapacidade de ser feliz uma obra sobre os intrigantes limites de estar vivo, desafiando as convenções da linguagem, apoiando-se na investigação de campo, interrogando-se sobre o trabalho de um escritor, no seu inferno pessoal. Revelar um pouco de tudo isso é o grande mérito deste livro, além, claro, dos muitos momentos vibrantes.»

Isabel Lucas, Público

 

frenteK_rei_palido.jpg

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

«Amplamente reconhecido como um dos maiores romancistas americanos do pós-guerra, o “legado” do autor de Herzog é um dos mais fascinantes da literatura do século XX. Influenciado pela narrativa existencialista europeia e por Franz Kafka, Bellow foi assim descrito pelo seu amigo e protégé Philip Roth: “As fundações da literatura americana do século XX foram providas por dois escritores – William Faulkner e Saul Bellow. Juntos eles são o Melville, o Hawthorne e o Twain do século XX.” E Christopher Hitchens descreveu-o desta forma: “A ficção e as personagens principais de Bellow refletem a sua ânsia de transcendência, um combate para superar não só as condições de gueto mas também as psicoses do gueto.”»

Nuno Carvalho, no novo Máquina de Escrever.

 

bellow.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

No ano em que se comemoram os 50 anos sobre a primeira publicação de Alegria Breve, a Quetzal disponibiliza uma nova edição deste importante marco da narrativa vergiliana.

 

«Ganharei o jogo? Perco sempre. Porque tentar ainda? Ganhar uma vez. Uma vez só. Às vezes penso: ganhar uma vez e não jogar mais. Esqueceria as derrotas, a memória do homem é curta. E no entanto... Começo a sentir-me bem, perdendo. Quer dizer: começo a não sentir-me mal. A capela de S. Silvestre já não brilha. Mas ainda se vê bem. É triste o entardecer, boiam coisas mortas na lembrança, como afogados. Uma nuvem clara passa agora não sobre o monte de S. Silvestre, mas sobre o outro, o pico d’El-Rei. É um pico menos aguçado, forma um redondo de uma cabeça. Há quanto tempo já lá não vais? Para o lado de trás, vê-se o sinal de uma aldeia (aldeia?), um sinal breve, trémulo, branco. Quando se olha, o tempo é imenso, e a distância — a vida é frágil e temos medo. Dou xeque duplo, vou-te comer a torre, Padre.»

I:\CAPAS - BERTRAND EDITORA\2015\Quetzal\01_ janei

 A 16 de janeiro nas livrarias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Inicialmente escrita para integrar a recolha La Femme Rompue (com a edição portuguesa intitulada A Mulher Destruída), esta novela (Mal-Entendido em Moscovo) acabou por ser excluída do referido livro.

 

Pela pertinência e atualidade do tema e pelo riquíssimo diálogo que o mesmo mantém com toda a obra de Beauvoir, este texto merecia, sem qualquer dúvida, uma edição autónoma.

 

Mal-entendido em Moscovo evoca a crise vivida por um casal de meia-idade ao longo de uma viagem à União Soviética: a deceção política cruza-se com um aparente desencontro sentimental, ligando a história individual à história coletiva.

 

No mesmo dia (23 de janeiro), chega às livrarias uma nova edição de O Segundo Sexo (volume 1). Mais de 60 anos volvidos sobre a sua primeira publicação, os temas que Simone de Beauvoir discute neste célebre tratado sobre a condição da mulher continuam a ser pertinentes e a manter aceso um debate clássico. Entretecendo argumentos da Biologia, da Antropologia, da Psicanálise e Filosofia, e outras áreas de saber, O Segundo Sexo revela os desequilíbrios de poder entre os sexos e a posição do «Outro» que as mulheres ocupam no mundo.

O Segundo Sexo é uma obra essencial do feminismo, e as suas considerações acerca dos condicionamentos sociais que levam à construção de categorias como «mulher» ou «feminino» ̶ e que estão na base da opressão das mulheres ̶ são hoje amplamente aceites.

simone.jpg

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

frenteK_malentendido_moscovo.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


QUETZAL. Ave da América Central, que morre quando privada de liberdade; raiz da palavra Quetzalcoatl (serpente emplumada), divindade tolteca, cuja alma teria subido ao céu sob a forma de Estrela da Manhã.

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Links

  •  
  • Sites e blogues de autores

  •  
  • Sobre livros

  •  
  • Editoras do Grupo BertrandCírculo

  •  
  • Comprar livros online

  •  
  • Festivais Literários

  •  
  • Sobre livros (imprensa portuguesa)

  •  
  • Sobre livros (internacional)

  •  
  •  

  • Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2017
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2016
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2015
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2014
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2013
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2012
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2011
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2010
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2009
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D