Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Quetzal

Na companhia dos livros.

Palavras que se Cruzam na Poesia

Para os nossos leitores que não puderam estar presentes no Dueto Improvável do passado fim-de-semana, que decorreu na Feira do Livro e juntou o poeta João Luís Barreto Guimarães e o "cruzadista" (ou cruciverbalista) Paulo Freixinho, aqui fica o texto lido pelo primeiro:

 

"Não é fácil para um poeta que acaba de reunir a sua obra, e não encontra nas cerca de duas centenas e meia de poemas que a constituem mais do que 2 ou 3 referências a “Palavras Cruzadas”, esboçar um pequeno ensaio sobre uma possível relação – tão ao gosto da Manuela Ribeiro e do Francisco Guedes, das Correntes d’Escritas, - entre “Palavras Cruzadas” e “Poesia”.

            Na verdade, as referências a “Palavras Cruzadas” ou “cruzamento de palavras” na minha poesia são tão naturalmente escassas, que são fáceis de enumerar: no poema de “Este Lado para Cima” (1994), “disponho os amigos pelas paredes do quarto”, o gesto de abrir o jornal nas palavras cruzadas e constatar que já foram feitas é comparado ao instante em que se descobre que um amigo nos desiludiu; no poema “Segundo café da manhã”, de “Luz Última” (2006), a procura de um sinónimo (com 5 letras) para a palavra “regime” por uma funcionária pública obesa é comparada à eterna cruzada pela qual a mesma passa para emagrecer, sendo a palavra “dieta” a resposta aos dois problemas; e o poema “D.N.A.”, de “A parte pelo todo” (2009), cujo enunciado pode ser visto como um enunciado típico de palavras cruzadas, acaba por se constituir, pelo contrário, como uma falsa pista já que a conhecida expressão anglosaxónica correspondente a “ácido desoxiribo-nucleico”, a fonte da vida humana, acaba por ser transformada - num momento de ira contra o Divino, própria das fases do luto, perante a perda de um familiar, - na provocação latina “Deus non auctoris”, para melhor compreensão e ofensa ao Criador.

            Excluindo estas situações nada, ou quase mais nada. Porém, não posso ignorar o jogo que se pretende que eu estabeleça hoje com o meu companheiro de mesa, Paulo Freixinho, que publicou um divertido e interessante livro na Quetzal, sobre Palavras Cruzadas e Literatura. E não me furtarei a esse jogo, tanto mais que devo a Paulo, a minha primeira aparição desde sempre na revista Caras, uma importante publicação cujo reconhecimento eu perseguia há já quase 25 anos, sem nunca ter tido a honra de figurar em suas páginas, até finalmente pela mão dele ver concretizado esse sonho na resposta 51 VERTICAL das palavras cruzadas.

            As semelhanças entre a “Poesia” e “Palavras Cruzadas” não são tão ténues quanto à partida podem parecer, o que torna este dueto mais do que improvável, possível. Quem nunca se entregou minutos a fio a uma grelha de palavras cruzadas, procurando le mot juste, como um poeta procurando a palavra em falta no poema?

            Devo dizer ao Paulo, e aos leitores que têm a amabilidade de nos estar a ouvir, que na minha opinião as potencialidades das palavras cruzadas não ficam nada a dever às da poesia, e conseguem inclusive coisas que a própria poesia, com todos os seus recursos estilísticos não consegue. Apenas um exemplo: como todos sabem, a metáfora é uma figura de estilo que consiste na comparação de dois termos sem o uso de um conectivo. E – isto até pode parecer perseguição da minha parte, - mas não me ocorre uma boa metáfora que consiga relacionar em poesia, por exemplo, as expressões “Vítor Gaspar” e “abundância”. Simplesmente não me ocorre. A tanto não chega nem a minha criatividade, nem a minha inspiração. Mais depressa encontraria um verso que relacionasse o vocábulo “Noruega” com a palavra “abundância”, ou a expressão “Vitor Gaspar” com “estamos fritos”.

            Mas imagino que o Paulo, sem grande esforço, os consiga relacionar, simplesmente cruzando um dos “a” de “Gaspar” com um dos “a” de “abundância”, ou mesmo cruzando o “i” de “Vitor” com o “i” de “abundância”. Este simples exemplo bastaria para provar que as palavras cruzadas podem coisas que a própria poesia não pode. Ainda por cima em forma de cruz, símbolo esse tão ao gosto da poesia visual, da poesia concreta, algo que metaforicamente transmitiria ao leitor a imagem daquilo que por estes dias de crise cada um de nós transporta às costas. 

            Mas a poesia, por sua vez, também não deixa de piscar o olho às Palavras Cruzadas, por exemplo, nos chamados poemas acrósticos que são, nem mais nem menos, aqueles poemas onde as primeiras letras de cada verso, se lidas na vertical, formam uma palavra ou frase com a qual se pretende sublinhar um mote - ou esconder uma mensagem secreta, - por exemplo, o nome da amada a quem é secretamente dedicado o poema.

            Devo confessar que antes de vir para cá, estive a semana inteira a reler esse curioso hebdomadário chamado Diário da República para tentar perceber se a primeira letra de cada um dos últimos 14 decretos-lei publicados pelo Ministério das Finanças nos últimos meses, quando lida sequencialmente, encerrava alguma mensagem subliminar, como fosse, por exemplo, uma dedicatória lírica do género:

            “ D-O—V-I-T-O-R,—C-O-M—A-M-O-R. “

            Devo confessar que fiquei um pouco desiludido ao constatar que não. É que, a estar lá escondida alguma mensagem, isso tornaria a coisa um pouco mais tolerável: o Dr. Vitor Gaspar ter aproveitado a primeira letra do incipit dos últimos 14 decretos-lei para, vá lá, um pouco timidamente (quase às escondidas), me ter “passado a mão pelo pelo”. Assim, sem essa dedicatória, considero que apenas me passou a mão.

            Pela minha parte, nunca entrecruzei palavras num poema para escrever um poema acróstico. É uma falha da minha obra, “Poesia Reunida” que - não me canso de o dizer, - está à venda ali, no stand da Quetzal. A vez em que estive mais próximo de o fazer aconteceu quando sabendo da intenção familiar em plantar um fio de árvores de fruto numa língua de terra para onde a família foge ao fim-de-semana do bulício citadino, sugeri que se plantasse sequencialmente a Cerejeira, depois a Ameixoeira (de frutos vermelhos), depois o Limoeiro, depois a Macieira (bravo de esmolfe) e, por fim, a Ameixoeira (de frutos amarelos), - um Cê, um A, um éLe, um éMe e um A, - para que, quem por lá passasse nas décadas seguintes pudesse ler naquele pequeno pomar, a C-A-L-M-A que o envolvimento campestre sugere, tão ao gosto do Dr. Sousa Homem. Foi o meu primeiro LAND POEM.

            Já vai sendo tempo de terminar este texto. Eu poderia muito simplesmente ter resolvido a questão afirmando que “Palavras que se cruzam com a poesia” são todas, podem ser todas, como defendia William Carlos Williams e provaram o poeta Manuel António Pina e, mais recentemente, José Miguel Silva, ao usarem, imagine-se!, a palavra “iogurte” num poema: o primeiro, no contexto de uma elegia dedicada aos cuidados prestados a Eugénio de Andrade no final da sua vida, o segundo, no contexto de uma muito pessoal visita a Florença.

            Talvez porque o mais interessante de tudo seja isso mesmo: a forma como as palavras que escutamos todos os dias, no metropolitano, nas repartições públicas, as palavras que lemos nos jornais, num bom livro, se vão gradualmente tornando nossas, principalmente quando as roubarmos a territórios estranhos e delas fazemos poesia. Como se terá cruzado Cesariny com a palavra “prestidigitador”? Saberá Luís Quintais que quando me cruzei com a palavra “esboroar” num dos seus poemas lha roubei para o meu poema “Pétalas sobre a cabeça”? Como se lembrou O’Neill de cruzar as palavras “outono” e “alma” e inventar essoutro vocábulo “outonalma”?

            Termino com um texto do meu livro “Lugares Comuns”, (2000), que não fala de outra coisa senão disso mesmo, do cruzamento de palavras: numa folha de ar ou no espaço do poema.

 

20 de Junho

            Primeiras horas da manhã. Um Café está sempre à espera, as palavras demoram-se e conversam sobre a mesa, usando o espaço do ar para tocar a fala dos outros, contribuindo para criar, pelo cruzamento de sílabas, palavras hermafroditas de sentido fragmentário, o idioma do Café.

            O burburinho gerado fala uma língua própria, somente inteligível pelo empregado de mesa. Vejo-o serpentear pela sala num jogo de decifração, escutando na mesa da frente a resposta à pergunta lançada na mesa anterior, descodificando murmúrios, traços de inconfidências, irreveláveis segredos.

            A moeda sob o recibo vai comprar o seu silêncio.

 

João Luís Barreto Guimarães"