Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quetzal

Na companhia dos livros.

Que língua portuguesa é a sua?

«Há alguns anos, em Lisboa, num evento em que se discutia pela milésima vez a reforma ortográfica, um sujeito ergueu-se aos berros, no fundo da sala: “A língua é nossa!” Não fiquei surpreendido. A verdade é que ainda persiste em Portugal uma certa saudade imperial e, sobretudo, uma enorme ignorância no que diz respeito à história do próprio idioma. É sempre bom recordar que antes de Portugal colonizar África, os africanos colonizaram a Península Ibérica durante oitocentos anos. A língua portuguesa deve muito ao árabe. A partir do século XVI, com a expansão portuguesa, a língua começa a enriquecer-se, incorporando vocábulos bantos e ameríndios, expressões e provérbios dessas línguas, etc.. A minha língua é esta criação coletiva de brasileiros, angolanos, portugueses, moçambicanos, caboverdeanos, santomenses, guineenses e timorenses. A minha língua é uma mulata feliz, fértil e generosa, que namorou com o tupi e com o ioruba, e ainda hoje se entrega alegremente ao quimbundo, ao quicongo ou ao ronga, se deixando engravidar por todos esses idiomas.»


Leia a crónica de José Eduardo Agualusa n' O Globo

JEA02.jpg Foto: Pedro Loureiro

O Enigma da Chegada: um clássico contemporâneo

«Entre a partida e a chegada vivem-se os últimos dias do império. É isso que torna ainda mais fascinante este livro, clássico, de V. S. Naipaul. Um jovem indiano, de Trindade e Tobago, chega à rural Inglaterra e defronta-se com a descoberta de um mundo que pode tornar possível os seus sonhos. Algo que sucedeu ao próprio Naipaul, uma das grandes vozes da literatura de língua inglesa das últimas décadas.»

 

Fernando Sobral, Jornal de Negócios

 

frenteK_Enigma_CHegada.jpg

 

Vidadupla em Serpa

SÉRGIO GODINHO – APRESENTAÇÃO DO LIVRO “VIDADUPLA” E CONVERSA COM O AUTOR. 28 de março. 16h00. Biblioteca Municipal Abade Correia da Serra. Organização: Câmara Municipal de Serpa.

 

frenteK_vidadupla.jpg

 «“Vidadupla”, uma série de contos, feitos de histórias a partir de impressões do que se vê e do que se imagina, marca a estreia de Sérgio Godinho na ficção para adultos.


Apesar de ser a sua primeira incursão na ficção literária, Sérgio Godinho já publicou um total de 11 livros. Obras de géneros muito diferentes: Guiões de cinema (como "Kilas, o mau da fita”), poesia ("Sangue por um fio"), histórias para a infância ("O pequeno livro dos medos"), peças de teatro ("Eu tu ele nós vós eles") ou crónicas ("Caríssimas quarenta canções") são disso apenas alguns exemplos.» Aqui.

Uma grande escritora

«Contra a corrente da guerrilha partidária, Ana Cássia Rebelo (n. 1972) impôs à blogosfera uma persona desprovida de cautelas, Ana de Amsterdam. O blogue ressurge em forma de livro, prefaciado por João Pedro George, responsável pela selecção dos textos. Fica exarado: «uma grande escritora, uma radiação nova na literatura portuguesa.» Parece exagero, mas não é.»

 

Eduardo Pitta, Sábado

 

frenteK_ana_amsterdam.jpg

 

Cifra, de Mai Jia, a 10 de abril nas livrarias

frenteK_Cifra.jpg

 

 

«Finalmente, um grande romance chinês. Cifra destaca-se pelo seu ritmo, pela sua animação e pela pura novidade de uma história que agarra desde a primeira página.»

The Economist

 

«Um autor literário que obtém sucesso comercial é um acontecimento raro. Mas misturar géneros, reunir história e lenda, minar subtilmente um Estado repressivo – enquanto se gaba de vendas na casa dos milhões –, isso só pode acontecer com um autor. E, surpreendentemente, esse autor é chinês.»

The New Republic

 

«Apesar de todos os seus romances serem facilmente catalogados como thrillers de espionagem, como os de John Le Carré ou Robert Harris, eles são, além disso, uma criação literária original e fascinante.»

The DailyTelegraph

 

«Mai Jia proporciona uma viagem sedutora, mágica e misteriosa através da China. É uma alegria absoluta de ler.»

The Economist

 

«Um romance desafiador, absorvente e gratificante.»

The South China Morning Post

«Esta história enigmática é contada sempre de modo efervescente, numa prosa cheia de beleza. Quebrar um código – uma cifra – é estender a mão para o céu e esperar apanhar um pássaro. Neste livro, cada personagem é maior do que a vida.»

The Economist

 

«Contado por um narrador sombrio que trabalha sobre transcrições de entrevistas e documentos desclassificados, o livro vagueia entre a narrativa mítica e a especulação epistemológica. Há ecos de Chesterton, Borges, dos poetas imagistas, das escrituras cristãs e hebraicas, de Nabokov e Nietzsche.»

The Wall Street Journal

 

«Mai Jia é hábil ao explorar o mundo da matemática e da criptografia, tentando evocar as incertezas labirínticas, os paradoxos da “arte negra” e as obsessões de quem a pratica. Isto deixa-nos com apetite para ler mais deste autor extraordinário.»

The Guardian

 

«Mai Jia citou a influência de escritores como Borges e Nabokov – e há tons de Herman Melville na história do seu infeliz e inescrutável protagonista. Mas Cifra é uma obra inteiramente original: uma mistura coerente e poderosa de thriller de espionagem, saga histórica e puzzle matemático.»

FinancialTimes

A alma dos livros e uma linguagem riquíssima.

Diz o tradutor: A tua linguagem é riquíssima, mas acho que consegui dar um tom «legal» ao livro.

Responde o autor: O bom de ser em alemão é que eu nunca vou conseguir perceber.

Já está online a revista Blimunda, com a conversa entre Manuel Jorge Marmelo e o tradutor para o alemão, Michael Kegler, e com o texto de Bruno Vieira Amaral, para a mesa do Correntes D'Escritas em Lisboa, com o mote A inteligência é a alma dos livros. Para conferir aqui.

Epígrafe

Publicamos autores que roubam epígrafes a canções. O lançamento de O Que Não Pode Ser Salvo, de Pedro Vieira, é hoje, às 21h30, na Galeria Zé dos Bois.

 

shot_1426680429690.jpg

 

Ibn 'Ammâr

A Al-Mu 'Tamid

 

nada me move, meu príncipe,

senão a tua vontade. 

contigo vou, 

como o viajante noturno

guiado pelo clarão dos relâmpagos.

queres voltar para a tua amada?

vai num rápido veleiro

e seguirei no teu encalço, 

ou salta antes para a sela,

contigo irei também. e quando, 

graças à proteção divina,

chegarmos aos umbrais do teu palácio

permite que torne sozinho à minha casa.

não percas tempo a sacar a espada!

lança-te aos pés da que tem a cintura delicada

e compensa-a do tempo perdido: 

beija-a e aperta-a contra o peito.

e murmurem vossas bocas

meigas e doces palavras,

como os pássaros se respondem mutuamente

em suaves cantos ao romper da alva.

 

Tradução de Adalberto Alves.

 

 

frenteK_CEM_POEMAS_SALVAR_VIDA_ED_QUETZAL.jpg

 

Pág. 1/2