Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quetzal

Na companhia dos livros.

Mas É Bonito

«O resto é uma dança e contra dança de parábolas e exercícios de ironia. Geoff Dyer assina com fluidez um voo picado sobre a vida, o solipsismo quase crónico do isolamento, a solidão como único fim. E quanto mais a narrativa avança na descrição das personagens, onde cada uma, à sua maneira parece aspirar a uma espécie de paraíso, mais palcos se abrem a medos soltos, episódios autónomos entre um sopro no saxofone, um dedilhar no contrabaixo - «tocava-o como se estivesse a lutar» -, uma tecla branca, todos os gestos numa espiral de improviso. O jazz passa, seguramente, por aqui.»

 

Miguel Barros, Diário Digital

 

Entrevista de José Eduardo Agualusa à Visão

 Fotografia de Pedro Loureiro

 

 

Porque sabemos tão pouco sobre História africana?
Não sei... Mas no  caso do Brasil, mais ligado a África, um país de matriz africana, existe uma  maior produção académica sobre a História de África, ainda que haja um fraco  conhecimento da cultura africana contemporânea - sobre a música, por exemplo. O  Brasil cortou com África quando acabou a escravatura. Em Portugal, existe um  maior conhecimento da cultura contemporânea africana, mas, sobre a História,  ainda há um longo caminho a percorrer. Existe um saber académico, mas este não  passa para fora. E o que se sabe é apenas numa perspetiva, muito redutora. No  que diz respeito ao grande público, há uma certa mitologia que ficou. Este livro  sobre a rainha Ginga pode surpreender em Portugal porque vai mostrar uma outra  perspetiva: a africana.

Mas houve outros livros dedicados à rainha Ginga.
Houve alguma literatura colonial, ou seja, ficção produzida por  portugueses, utilizando o mito da rainha a favor do mito da construção do  império. Quando as figuras se agigantam muito, todos os poderes têm a tentação  de usá-las a seu favor... Depois da independência de Angola, foi publicado, pelo  menos, um livro com a perspetiva oposta, hipernacionalista, transformando a  rainha Ginga num ícone do nacionalismo angolano - o que também é absurdo. A  rainha Ginga não é angolana. Ela atuou no espaço geográfico onde, hoje, se situa  Angola mas que, então, não existia. É como Viriato. Ele não é um herói  português, é um herói contra Portugal. A rainha Ginga não lutou por uma ideia de  Angola. Pelo contrário: se ela tivesse triunfado, não teria existido Angola como  hoje a conhecemos.

Ler mais: http://visao.sapo.pt/jose-eduardo-agualusa-pela-primeira-vez-sinto-que-posso-dizer-que-sou-escritor=f784361#ixzz34QIMxkXk