Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quetzal

Na companhia dos livros.

Com os dois pés em 2011.

 

 

Desta vez os livros de Janeiro chegaram mais cedo.

 

De Raymond Carver, Catedral, traduzido por João Tordo.

De Guillermo Cabrera Infante, Corpos Divinos, traduzido por Salvato Telles de Menezes.

De Irvine Welsh, Se Gostaste da Escola Vais Adorar o Trabalho, traduzido por Jorge Pereirinha Pires.

De Christopher Isherwood, Um Homem Singular, traduzido por Filomena Duarte.

De Evelio Rosero, Os Exércitos, traduzido por Margarida Amado Acosta.

De D. Luiz de Lancastre e Tavora, D. Leonor de Távora.

Para interromper o natal:

Uma boa notícia, a melhor notícia:

As Aventuras de Augie March, de Saul Bellow, publicado pela Quetzal, foi considerado o livro do ano pelo jornal Público (Ipsílon), segundo a escolha de todos os seus críticos. Da lista, de vinte títulos, constam ainda O Sonho do Celta, de Mário Vargas Llosa, A Viúva Grávida, de Martin Amis, e Morrem Mais de Mágoa, de Saul Bellow, todos publicados pela Quetzal — a editora que mais livros inclui nesta lista.

 

 

É o segundo ano consecutivo que a Quetzal é distinguida com esta escolha. No ano passado, o título foi 2666, de Roberto Bolaño.

Vasco Graça Moura recebe o Prémio Clube Literário do Porto

Vasco Graça Moura é o vencedor da edição de 2010 do Prémio Clube Literário do Porto. O prémio, no valor de €25.000,00 (vinte e cinco mil euros), visa distinguir a carreira deste notável escritor, natural do Porto, nos géneros da Poesia, da Ficção, do Ensaio e da Tradução. A cerimónia pública de entrega do galardão decorrerá no próximo dia 29 de Dezembro às 21h30 nas instalações do  Clube Literário do Porto (Rua Nova da Alfândega, nº 22),  a que se seguirá uma sessão de autógrafos. A apresentação  do galardoado estará a cargo do Dr. José Pacheco Pereira.

  

O livro Livro

«Foi em 1948. O dia em que “a mãe pousou o livro nas mãos do filho. Que mistério.O rapaz não conseguia imaginar um propósito para o objecto que suportava.”O livro enquanto objecto de interrogações especulações antes de ser aberto, lido, cheirado, é o centro do último romance de José Luís Peixoto. Chama-se “Livro” e pode parecer definitivo ou pretensioso.Não é ‘o’ livro,mas é um livro onde as interrogações são sobre a emigração portuguesa. A do meio do século. Curiosamente vista a partir de agora, deste tempo em que volta a apetecer sair do país depois do país ser destino de muitos imigrantes.»

  

Livro, de José Luís Peixoto, é uma das sete sugestões do Diário Económico para este Natal.

 

As noites loucas de Teo Zanquis

«Em No Buraco, o guitarrista Teo Zanquis recorda a sua vida em quartos de hotéis, noites loucas de sexo, de drogas e álcool. Andar em tournée "é uma loucura mesmo. Você vive em hotéis. E vai criando um hábito, como estivesse sempre sempre no mesmo hotel, só que dcada dia tem um diferente. É uma sensação estranha e muitas coisas acontecem no hotel, conta."» Hoje, no Ípsilon, Isabel Coutinho assina um artigo feito a partir de uma conversa com Tony Bellotto.

Os nossos livros nas listas

É garantido que ninguém na Quetzal conhece a Sandra A. que mantém o blogue Persona, onde fala sobre os livros do ano. Nenhum deles é O livro das Listas, que parte dessa irritante mania que dá nome ao post em que a blogger explica quais foram para si os dez livros mais importantes do ano e porquê. Cinco em dez são da Quetzal

Um livro híbrido

«"Elza, a garota" combina literatura e reportagem. É um híbrido de ensaio histórico com jornalismo e com ficção. O autor queria que o livro fosse rigoroso na pesquisa histórica - por isso passou seis meses a pesquisar arquivos institucionais e privados - mas também que se subordinasse a "uma lógica maior de romance". Não era uma fórmula que estivesse pronta e já estava a escrever quando leu "Soldados de Salamina", de Javier Cercas, próximo do seu romance em termos de estrutura. "Vi que estava indo por um caminho que não era tão novo como imaginava". Também há um diálogo com "Nove Noites", de Bernardo Carvalho, e com os livros de W. G. Sebald.». Já está na edição online do Ípsilon o artigo de Isabel Coutinho sobre Sérgio Rodrigues que investigou a morte de Elza Fernandes, a jovem menor, namorada do líder do Partido Comunista do Brasil, que morreu assassina por estar sob suspeita de traição.

Uma semana que começa bem

 

Na passada ficou a inauguração da nova Livraria Bertrand do Centro Comercial Colombo, de que José Luís Peixoto é padrinho e o artigo de Isabel Coutinho, no Ípsilon, sobre Sérgio Rodrigues, autor de Elza, a Garota. Depois de um fim-de-semana cheio de Mario Vargas Llosa, a começar precisamente na sexta-feira, no Ler no Chiado onde se falou da obra do Prémio Nobel da Literatura 2010, a semana começa bem para nós aqui na Quetzal, com a notícia de que Livro de José Luís Peixoto continua nos tops (Bertrand, Fnac e Wook), na companhia de O Sonho do Celta, umas posições acima. E hoje, no Público, sugestões de livros para ofertas de Natal: dos dez, dois são nossos, Vargas Llosa, claro, e Renascer, os diários de Susan Sontag.

Pág. 1/2